Ao (Des)Abrigo do Nome (5)

25.02.2015

conduz-nos, Deus,
de questão em questão,
de fogo em fogo,
sem satisfações que ao tempo bastem
e a nós assombrem;
que passemos da catalogação
do que julgamos conhecer
ao poço dos enigmas infindáveis
onde o rosto é para sempre fundo,
desmentido, diferido
não nos mure a estrutura em espelho
que escamoteie a procura da verdade,
mas que o dom da tua palavra nos visite
como o canto do galo,
a lembrar o dia novo,
o perdão e a graça

JOSÉ AUGUSTO MOURÃO, OP, “de questão em questão”

______________________

“Ao (Des)Abrigo do Nome”: (1) · (2) · (3) · (4)