Quem Vigia o Vento Não Semeia (2): A Surpresa de Deus

05.12.2011

Só a crença na presença de Deus na nossa vida altera o que sabemos de nós e do mundo. Deus, ao encarnar, tornou-se um de nós. Não imitamos Deus fugindo do mundo e de nós, com paliativos e denegações. Deus fez o contrário (Hino [Cristológico] aos Filipenses [Fl 2,6-11]). Jesus escolheu a morte, isto é, deu-lhe um sentido: nenhum bode salva. A morte de Jesus situa-se na continuidade dos crimes de Abel e dos profetas. O que há de singular na morte de Cristo não é o modo como morre mas que, em vez de se terminar por uma sacralização de bode expiatório, acabe por uma dessacralização de qualquer sistema. Só a Cruz nos surpreende, nos arranca à mundanização de Deus: Deus vem de Deus.

JOSÉ AUGUSTO MOURÃO, OP, “Festa dos Ramos”

______________________

Quem Vigia o Vento Não Semeia: (1)